FUNDEP e UNIOESTE são parceiros na realização DIGITAL do II International Fish Congress & Fish Expo Brasil

Previous Next

O II International Fish Congress e a II Fish Expo Brasil – II IFC DIGITAL 2020 reuniu toda de cadeia produtiva de pescados nos dias 01, 02 e 03 de dezembro. Com ancoragem em Foz do Iguaçu, Paraná, a partir de um estúdio foram transmitidas 32 palestrantes de 14 países, Seminário de Políticas Públicas e Avanços na Gestão Pesqueira e Aquícola – MAPA, Arena do Conhecimento Sebrae e Feira Virtual Fish Expo. Foram 22h de transmissão ao vivo, via streaming de conteúdo Com os objetivos de disseminar e compartilhar conhecimento e tecnologias, métodos de produção e inovações para a cadeia do pescado em nutrição, sanidade, manejo e mercado; e de divulgar e discutir os avanços e desafios da aquicultura e nos processos produtivos visando sustentabilidade do setor nos quesitos social, econômico e ambiental. relacionado à cadeia do pescado (aquicultura e pesca), o II IFC Brasil Digital 2020, teve mais de 5.500 visualizações online, com mais de 1 mil inscritos. Em um média de 1.750 visualizações por dia.

Programação Inovadora

Foram mais de 22h de transmissão ao vivo com 3h de Seminário de Políticas Públicas e Avanços da Gestão Pesqueira e Aquícola em parceria com SEAP/MAPA; 4h30min Arena do Conhecimento Sebrae; e 12h II International Fish Congress – IFC Digital. Além disso, o evento contou com o espaço Fish Expo Brasil, com 23 expositores, espaço para Apresentação de trabalhos científicos, com 44 inscritos, e espaço Aqua 4.0, destinado a Startups, Inova Aqua para demonstração de tecnologias de ponta e rodada de negócios digitais (marketplace), disponível durante todo o período do evento.

“Encaramos o desafio de organizar um evento híbrido e tecnológico, apresentando os melhores conferencistas nacionais e internacionais”, afirma Altemir Gregolin, Presidente do evento. Os participantes acompanharam temas vindos do Brasil, Chile, China, Equador, Estados Unidos, Israel, Itália Malásia, Noruega e Vietnã. As diretrizes da programação técnica incluíram temas de conjuntura e estratégia relacionadas ao mercado interno e de exportação.

Nesta segunda edição, a Exposição Feira contou com a participação dos principais players do mercado de tecnologias e serviços para aquicultura e pesca. O evento apresentou ainda a Arena do conhecimento coordenado e apresentado pelo SEBRAE.

IFC, uma bússola para o setor de pescado

Diante do potencial do mercado de pescado, o International Fish Congress destaca-se como uma bússola para a organização de cadeia de pescados. “Na perspectiva de desenvolvimento competitivo, sustentável e focado no mercado global. Esse é o tripé do evento”, informa Gregolin. “Desde a primeira edição, em 2019, o IFC tem esse mote. Por isso é um evento de cadeia”, completa.

A difusão de informações é fundamental para o desenvolvimento da cadeia. “Todos os atores precisam conversar, ter unidade e estratégia. Tudo começa com o nivelamento adequado de informações, apresentar o que tem de mais moderno e, a partir daí, definir estratégias numa visão de longo prazo, compreendendo as tendências mundiais”.

Tendências globais de consumo de pescados como praticidade, produção sustentável social e ambientalmente são questões que impactam a cadeia. “O consumidor quer saber como a proteína foi produzida, qual o impacto regional, em termos de emprego e renda, como impacta nas condições de vida das pessoas, de preservação ambiental, entre outros. Tudo isso com competitividade e qualidade”, afirma.

Apoio do setor

“O setor percebeu no IFC uma proposta que envolve as necessidades do setor. Não queremos segmentar, mas unir toda a cadeia produtiva para pensar junto”, enfatiza. Para Gregolin, competitividade engloba todos e não somente um elo da cadeia. “Com isso, o IFC une o setor, promove diálogos, aproxima, define pautas e estratégias comuns”. O evento contou com o apoio da Ocepar - Organização das Cooperativas do Paraná e Sistema FAEP/SENAR-PR.

Gregolin destaca ainda a construção do IFC com a participação conjunta das entidades, empresas e cooperativas, especialmente a Copacol. O apoio do Governo do Paraná, Sanepar, Copel, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, Agência Fomento Paraná, Ministério da Agricultura e Secretaria de Agricultura e Pesca também foram essenciais para a realização do evento. “O Sebrae Nacional tem sido decisivo, com ações na área da aquicultura e uma motivação de desenvolver o empreendedorismo. Isso é fundamental, pois a grande maioria dos produtores na área de aquicultura são pequenos e médios. Temos quase 300 mil aquicultores no Brasil e 95% deles tem até 5 hectares de lâmina da agua”, finaliza Gregolin.

Participação da FUNDEP e da UNIOESTE

Para Ronaldo Bulhões – Diretor Presidente da FUNDEP – Fundação de Apoio ao Ensino, Extensão, Pesquisa e Pós-graduação, entidade coorganizadora do IFC BRASIL, a relevância do evento, além de reunir a toda a cadeia produtiva do pescado,  é apoiar o desenvolvimento de atividades de pesquisa, ensino, extensão e pós-graduação com a apresentação dos trabalhos científicos. “A realização de um evento desse porte é a principal forma de intercambiar experiências, cooperar com outras instituições do segmento da aquicultura e desenvolver atividades destinadas a auxiliar a subsistência do setor aquícola, comunidade universitária e indústria. E ainda fomentar a pesquisa, o ensino e a extensão de Instituições de Ensino Superior, públicas ou privadas, envolvidas no projeto, de forma integrada”, revelou.

Alexandre Almeida Weber, Reitor da UNIOESTE – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, outra instituição parceria coorganizadora, coloca que o evento é uma oportunidade para a Universidade divulgar o conhecimento e a pesquisa gerados no universo acadêmico, oferecendo soluções para o segmento, uma vez que a Universidade tem expertise no tema por possuir o curso de graduação em Engenharia de Pesca e Mestrado e Doutorado em Recursos Pesqueiros em Engenharia de Pesca. “A UNIOESTE reconhece a importância de cooperar e se conectar ativamente com a indústria, o mercado, o Estado e a sociedade civil, que são os consumidores do conhecimento e da inovação gerados pelas Universidade, e o IFC BRASIL é uma grande porta aberta para essa conexão, pois engloba toda a cadeia pesqueira e abre caminho para o encontro de soluções para o setor”.

Fonte: Assessoria IFC BRASIL, adaptado pela equipe FUNDEP.